Proprietários de terras



Por Elis de Sisti Bernardes


1846 - José Zeferino de Azevedo já possuía terras no Itaperiú e foi Demarcador Juramentado da Província de Santa Catarina, fazendo a medição e demarcação dos terrenos concedidos naquele ano no Rio Itaperiú.


10/10/1846 -  José Conrado Moreira recebeu a concessão de 200 braças de terras de frente (de Norte ao Sul) com mil braças de fundos (de Leste a Oeste) na margem do Rio Itaperiú. As terras extremavam ao Oeste com terrenos devolutos, a Leste com terras do Tenente Coronel Francisco de Oliveira Camacho, pelo Sul com José Zeferino de Azevedo e pelo Norte com terras concedidas a João Furtado Miguel.

10/10/1846 -  João Furtado Miguel recebeu a concessão de 200 braças de terras de frente (de Norte ao Sul) com mil braças de fundos (de Leste a Oeste) na margem do Rio Itaperiú. As terras extremavam ao Oeste com sertões devolutos, a Leste com terras do Tenente Coronel Francisco de Oliveira Camacho, pelo Sul com José Conrado Moreira e pelo Norte com terras devolutas.

1868 - Justino Francisco Garcia e Jose Coelho da Rocha requereram ao Estado de Santa Catarina a compra de terras no lugar Itaperiu, sertão da Freguesia da Barra Velha.

21/12/1872 - Fructuoso Soares da Costa recebeu a concessão de 250.000 braças quadradas de terras no Rio Itaperiú ao preço de dois réis a braça quadrada. As terras extremavam à frente com os fundos de Joaquim Gonçalves de Souza, Joaquim Duarte, Manoel dos Santos e Manoel Clara, e fundos, Norte e Sul com terras devolutas.

08/11/1873 José Felício de Borba recebeu a concessão de 300.000 braças quadradas de terras no Itaperiú, onde em 1872 já tinha estabelecido sua morada e cultivava mandioca, cana, milho e feijão. Eram seus vizinhos confrontantes ao Norte o Capitão Alberto José Francisco da Silveira, a Leste Florencio Pereira da Silva, ao Sul os herdeiros da finada Thomazia Francisca Rosa por seu tutor Francisco Joaquim da Rosa e a Oeste com terras devolutas. Justino Francisco Garcia e Joaquim Felicio Borges foram nomeados pelo Estado como peritos para realizarem a medição das terras.

1875 - Joaquim José Pereira requereu ao Estado a compra de terras no Itaperiú da freguesia da Barra Velha.

1877 - Luiz Antonio Caetano e Luiz José da Silva pediram ao Estado a compra de mil braças de terras no lugar Itaperiú.

16/09/1880 - Clarinda Luiza Garcia, viúva de Justino Francisco Garcia, pediu ao Estado para comprar 300 braças de terras de frente com mil de fundos, no rio Itaperiú.

04/11/1880 - Eduardo Soares da Costa pediu ao Estado para comprar 500 braças de terras de frente e 500 de fundos, no Sertão do rio Itaperiú. José Pereira Soares e outros pediram ao Estado para comprarem 250 braças de terras de frente com 500 de fundos, no rio Itaperiú.

13/12/1880 - Requereram terras no município de Paraty, os moradores na Freguesia de Barra Velha, José Felício de Borba, Serafim José de Borba, Domingos José de Borba, João Felicio de Borba, José de Borba Coelho, João Claudino e Manoel José de Souza. As terras confrontavam a Leste com terras requeridas por Joaquim Felicio BorgesSotero José Coelho e Feliciano José Coelho e a Norte e Sul com terras devolutas.

1881 - Norberto Joze Coelho e Florencio Pereira da Silva requereram a concessão de terras no Itaperiú.

08/1881 - O Governo do Estado de Santa Catarina convocou para provar a posse e cultura e assinarem a escritura de compra das terras ao Sul do Rio Itapocu (na atual Jaraguá do Sul), pelo preço mínimo da lei, sob pena de proceder-se a despejo, as pessoas estabelecidas nas mesma terras: José Lourenço da Silva, Gabriel e Affonso Beausisse, João Pereira Catharina, Luiz Rodrigues de Carvalho, Bento Ricardo de Souza, Joaquim Athanasio da Costa, Simplicio Manoel da Silva, João Vicente Victorino, Francisco Miguel d'Oliveira, João José Vieira, Bernardo da Rosa, e os herdeiros de Francisco Joaquim da Rosa.

10/1881 - Sotero José Coelho e Felicio Borges requeram ao Estado para comprar 900 braças de terras de frente com 500 de fundos, no Itaperiú.

05/10/1881 O Governo do Estado de Santa Catarina convocou para provar que possui morada e cultura habitual nas terras devolutas para obterem título de compra das terras que ocuparem, pagando o preço delas: Bernardino José da Rosa, viúva e filhos de Valentin Izidro de Souza, Carlos Walter, José Leocadio da Silveira e Charles Augustin Caffier.

16/11/1881 - Foram postas a venda, pelo Estado, as terras devolutas no Itaperiú que foram requeridas por Sotero José Coelho, Feliciano José Coelho e Joaquim Felicio Borges. Assim como em 28 de dezembro.

29/12/1881 - O Estado aceita o lance de dois réis por braça quadrada dado por Sotero José Coelho, Feliciano José Coelho e Joaquim Felicio Borges, das terras requeridas por eles no Itaperiú.

03/1882 - Carlos Walter, morador no Itapocú, possuía um terreno no Itaperiú, que já havia requerido sua compra há 14 anos ao Estado, mais ainda não havia pago, que estremava, pelo Nordeste com os herdeiros do Capitão Alberto e Thomas Antonio, pelo Sul com Florencio Pereira da Silva, pelo Leste com o próprio Walter e Geraldino Soares da Costa, e pelo Oeste com o ribeirão Ai. Este terreno havia sido arrendado para Pedro da Cunha, que nele construiu benfeitorias e fez lavouras.

17/04/1882 - Jeremias José Bernardes pediu ao Estado para comprar terras no braço do rio Itaperiú.

01/07/1882 - João Leal de Souza Nunes pediu ao Estado para comprar mil braças de terras de frente com mil de fundo, no lugar denominado Cento do Itaperiú, ao sul do rio Itapocú.

07/08/1882 - José Gonçalves de Souza e outros pediram ao Estado para comprar 400 braças de terras de frente com 500 de fundos, no Itaperiú.

25/01/1883 - Joaquim José Vicente de Mello pediu ao Estado para comprar 900 braças de terras de frente com 500 de fundos no rio Itaperiú. João José Zeferino de Azevedo e outros pediram ao Estado para comprar mil braças quadradas de terras no rio Itaperiú.

19/02/1883 - João Gonçalves de SouzaJoaquim José Vicente de Mello, João José Zeferino de Azevedo, e João Luiz dos Santos pediram ao Estado para comprar 500 braças de terras de frente com 500 de fundos no Itaperiú, no Sul do Rio Itapocu.

07/04/1883 - Por Maria Joaquina da Conceição não ter realizado a compra dos terrenos que requereu, no lugar Reveso de Cima, do lado Sul do Rio Itapocu, Izabel Gomes Vieira pediu para comprar os ditos terrenos visto ter sido ela a primeira que os requereu.

13/09/1883 - Foram medidas as 200.000 braças² de terras solicitadas por João Felicio de Borba, cortadas pelo Ribeirão São João e por pequenos córregos, confrontando pelo Norte com José Felício de Borba, pelo Sul com Joaquim José Vicente de Mello, ao Leste com Sotero José Coelho e ao  Oeste com terras do Estado e de Manoel José de Souza.

18/11/1883 - Foram demarcadas as 250.000 braças² de terras solicitadas por José Felício de Borba e na ocasião da elaboração do mapa, as mesmas confrontavam ao Norte com Clarinda Luiza Garcia, ao Sul com João Felicio de Borba, ao Leste com Sotero José CoelhoJ. Gonçalves de Souza, Marciano I. dos Santos e Germano Gonçalves de Souza, e ao Oeste com Eduardo Soares da CostaManoel José de Souza.

18/12/1883 - Feliciano José Coelho, morador no Itaperiú, requereu ao Estado para comprar 800 braças de terras de frente com 1.000 de fundos, no Itaperiú.

1884 - Dimiciano José Duarte e José Damazio Machado requereram a concessão de terras na Conceição de Itapocu, no Itaperiú.

16/02/1884 - Manoel Luiz da Luz e outros, pediram ao Estado para comprar 800 braças de terras de frente com 600 de fundos, no Sertão do Itaperiú.

19/03/1884 - Manoel Joaquim Pereira pediu ao Estado para comprar 250.000 braças quadradas de terras, no lugar Ribeirão do Salto.

07/04/1884 - João Damasceno da Veiga e Gabriel Maria da Veiga Junior pediram ao Estado para comprar terras no Itaperiú.

1885 - No inventário do Major Manoel Antonio Vieira consta dentre suas posse: 292 braças no lugar denominado Ai, na margem direita do Rio Itapocu, fazendo fundos com terras devolutas, oeste com os herdeiros de Carlos Walter, leste com quem de direito fosse.

1885 - No inventário de Carlos Walter, consta dentre suas posse: 69 braças de terras no lugar denominado "Ai", na margem direita do Rio Itapocu, fazendo fundos com terras devolutas, estremando, pelo Leste, com terras dos herdeiros do Major Manoel Antonio Vieira, e, pelo Oeste, com terras dos herdeiros do finado Francisco Luiz Fagundes, estimadas em 464 mil réis.

1885 - Laurindo Francisco da Rosa requereu a concessão de terras no Limoeiro do Itapocú.

07/01/1885 - Manoel Rocha dos Santos e Vicente José da Rocha pediram ao Estado para comprar , cada um, 500 braças de terras de frentes com 1.000 de fundos, no ribeirão de São João, no Sertão de Itaperiú.

19/03/1885 - Gabriel Maria da Veiga, Antonio José da Costa e José Vicente Coelho pediram ao Estado para comprar terras no Itaperiú.

30/05/1888 - Foram requeridas as terras de Clarinda Luiza Garcia, que haviam sido requeridas por seu falecido marido, Justino Francisco Garcia, tendo José Francisco da Rosa como seu procurador. As terras possuiam 300 braças de frente com 1.000 de fundos, fazendo frente no Rio Itaperiú com terras de Medeiros, e pelos fundos Sul com terras do Estado, ao Norte com Fructuoso Soares da Costa.

04/09/1889 - Manoel Antonio Martins pediu ao Estado para comprar 200 braças de terras de frente com 350 de fundos, mais ou menos, no rio São João do Rio Itaperiú da Barra Velha.

1891 - José Dionysio de Morais, Manoel Dionysio de Morais e Bonifacio Marciano da Silva requereram a concessão de terras no Sertão do Itaperiú, em Barra Velha.

1891 - Felício Lopes da Silva requereu a concessão de terras na Ilha dos Monos, no Itapocu.

17/01/1891 - Candido Gonçalves Chaves requereu ao Estado de Santa Catarina a compra de mil braças quadradas de terras no Sertão do Itapocu e rio do Salto, confrontando com terras do Estado.

1892 - Antonio Frederico Brenaisen requereu terras no Ribeirão de Itaperiú, na Freguesia de Barra Velha.

08/1897 - Foi aprovada a venda do lote n. 23, no Ribeirão Itaperiú, a Guilherme Bauler Filho, por 380$000.

10/1897 Antonio Silvestre da Silva já morava no Ai, na atual localidade de Santa Luzia.

1898 - Foram concedidas terras no Itaperiú a Júlio Vilhovock, Lourenço Kutz, Henrique Brumüller, Lourenço Kretz e Lourenço Bruhmüller.

190? João Baptista Dal Ri se muda para o Itaperiú, onde comprou uma grande área de terra na região em que hoje é o Centro, com a intenção de vender pequenos lotes e criar ali uma comunidade. 



Relação das concessões efetuadas pelo Estado de Santa Catarina:

Na relação abaixo temos os processos de terras referentes à São João do Itaperiú concedidos pela Coordenação de Legitimação e Cadastramento de Terras Devolutas (COLECATE), da Secretaria da Agricultura e do Abastecimento do Estado de Santa Catarina.

NOME
LOCALIDADE
DATA
ÁREA (M²)
João Furtado Miguel
Rio Itaperiú
10/10/1846
200.000 b²
José Conrado Moreira
Rio Itaperiú
10/10/1846
200.000 b²
Rio Itaperiú
21/12/1872
250.000 b²
Itaperiú
08/11/1873
300.000
Valentim Warges
Itaperiú
21/01/1897
250.650
Henrique Guilherme
Itaperiú
25/01/1897
250.940
Henrique Wurges
Itaperiú
25/01/1897
249.325
Henrique Wurges
Itaperiú
25/01/1897
249.325
Valentim Wurges
Itaperiú
26/01/1897
250.650
Henrique Guilherme
Itaperiú
09/02/1897
250.940
Guilherme Bauher Filho
Itaperiú
28/08/1897
249.750
Andreas Bauler
Rib. Itaperiú
05/11/1897
250.500
Wilhelm Banher
Itaperiú
05/11/1897
249.450
Valentim Wirth
Itaperiú
27/12/1897
249.850
Júlio Vilhovock
Itaperiú
08/01/1898
249.400
Lourenço Kutz
Itaperiú
17/01/1898
249.650
Rib. Itaperiú
04/05/1898
250.000
Lourenço Kretz
Rib. Itaperiú
27/07/1898
249.650
Itaperiú Ex. Col. Luiz Alves
23/09/1898
250.000
Itaperiú
09/07/1901
1.153
Municipalidade da Joinville
Itaperiú
15/03/1904
40.490
Itaperiú
23/02/1906
259.600
Itaperiú Mirim
22/04/1908
115.711
R. dos Monos (Itaperiú)
22/12/1908
370.576
Itaperiú
30/04/1910
300.036
Goerressen e Cia Filho (viúva)
Ribeirão do Salto
04/04/1911
2.710
Ribeirão do Salto
22/12/1911
484.000
Braço do Itaperiú
22/12/1911
3.960
Braço do Itaperiú
22/12/1911
3.960
Itaperiú
23/01/1913
44.000
Linha Itaperiú
23/01/1913
673.954
Josepha da Costa
Itaperiú
23/01/1913
44.000
Itaperiú
23/01/1913
44.000
Pedro Manoel da Cunha
Itaperiú
23/01/1913
4.400
Rosa da Costa
Itaperiú
23/01/1913
44.000
Morro dos Monos
25/01/1913
557.968
Anna da Costa
Itaperiú
23/11/1913
44.000
Morro dos Monos
11/12/1913
2.322
Itaperiú
05/02/1914
353.963
Ribeirão do Salto
28/02/1914
387.200
Morros
20/03/1914
403.225
Itaperiú
28/03/1914
163.625
Itaperiú
17/04/1914
69.540
Itaperiú
30/04/1914
108.900
Morro dos Monos
06/06/1918
320.400
Itaperiú
10/04/1919
246.840
Emílio Shehlow
Rib. Itaperiú
09/05/1919
300.530
Maria Torquato
São João
15/12/1920
106.177
São João
31/03/1921
258.360
Ribeirão do Salto
02/09/1921
304.200
Ribeirão do Salto
02/09/1921
304.200
José Domingos Corrêa
Linha Itaperiú
02/09/1921
304.200
José Domingos Corrêa
Ribeirão do Salto
02/09/1921
304.200
Ribeirão do Salto
02/09/1921
304.200
Toca
22/10/1921
30.700
São João
22/10/1921
263.012
São João
24/11/1921
159.720
Ribeirão da Cruz
24/11/1921
365.490
Itaperiú
30/12/1922
157.760
São João
18/01/1923
183.000
Morro dos Monos
21/01/1923
242.420
São João
26/01/1923
294.000
Itaperiú
26/01/1923
180.880
José Domingos Vitorino
Itaperiú
26/01/1923
211.200
Miguel Roque dos Santos
Itaperiú
26/01/1923
22.312
Itaperiú
10/03/1923
573.388
Itaperiú
10/03/1923
573.388
Ribeirão do Salto
10/03/1923
242.190
Braço do Rib. do Salto
28/04/1923
360.000
Paulo Ponciano da Rosa
São João
17/05/1923
211.375
Jacinto José D' Avila
Itaperiú
28/06/1923
339.842
Itaperiú
30/06/1923
300.000
Morro dos Monos
30/06/1923
268.000
Morro dos Monos
06/07/1923
192.698
Morro dos Monos
06/07/1923
212.982
São João do Itaperiú
06/07/1923
247.500
São João do Itaperiú
06/07/1923
16.951
São João do Itaperiú
06/07/1923
315.132
Antônio Felício
Itaperiú
20/08/1923
256.500
Itaperiú
22/10/1923
175.000
Itaperiú
22/10/1923
150.000
Itaperiú
03/12/1923
133.650
Braço do Itaperiú
10/12/1923
189.900
José Gonçalves Maria
São João
10/12/1923
293.550
Itaperiú
29/12/1923
234.500
Morro dos Monos
29/12/1923
208.300
Itaperiú
01/01/1924
276.288
Itaperiú
11/01/1924
300.000
Salto de Itaperiú
11/01/1924
1.912.000
São João do Itaperiú
11/01/1924
477.500
São João do Itaperiú
11/01/1924
322.750
Braço do Itaperiú
11/01/1924
755.700
Itaperiú
31/02/1924
775.654
Belarmino Agostinho Carvalho
São João
11/03/1924
127.590
Geraldo Manoel dos Santos
Morro dos Monos
19/05/1924
153.675
Itaperiú
11/08/1924
300.000
São João
14/08/1924
199.675
Joaquim Vitorio Jorge
Itaperiú
13/12/1924
234.100
Itaperiú
15/12/1924
298.770
São João (Barra Velha)
07/01/1925
259.255
Frederico Harles
Itaperiú
25/01/1925
119.937
Morro dos Monos
28/01/1925
221.300
Itaperiú
20/05/1925
494.000
Morro dos Monos
12/06/1925
111.000
Itaperiú
12/06/1925
264.500
Theotonio José D' Avila
Ribeirão do Boi
15/06/1925
312.363
Martinho Rodrigues de Medeiros
São João do Itaperiú
25/06/1925
198.000
Itaperiú
24/07/1925
330.000
São João do Itaperiú
24/07/1925
302.400
Itaperiú
08/10/1925
264.500
José Honório Vieira
Itaperiú
16/10/1925
396.000
Ribeirão do Ary
17/12/1925
674.142
Ribeirão do Salto
21/01/1926
150.000
Toca
27/01/1926
291.900
Itaperiú
05/04/1926
184.500
Itaperiú
31/08/1926
361.125
Antônio Angelo Ferreira
Itaperiú
27/01/1927
349.640
Itaperiú
17/05/1927
500.000
Joaquim Manoel de Moraes
Itaperiú
17/05/1927
239.926
Cecílio Antônio Ferreira
Itaperiú
21/08/1927
288.000
São João
21/11/1929
290.000
Itaperiú
17/03/1930
429.220
São João
18/08/1930
258.525
Itaperiú
02/04/1934
295.550
Itaperiú
14/11/1934
148.195





Referências

- APESC. Índice geográfico dos processos de terras da Secretaria da Agricultura e do Abastecimento - Coordenação de Legitimação e Cadastramento de Terras Devolutas - COLECATE. Florianópolis, mar. 2010.