Família Mariano


Por Elis de Sisti Bernardes


A família Mariano estabeleceu-se no Ai, onde atualmente se localiza o bairro de Santa Luzia, em São João do Itaperiú, ainda antes de 1890.

Filadelpho José Mariano (ou Filadelfo) nasceu em Armação de Itapocoroy (atual Penha), filho de José Mariano de Araújo e Luiza Maria Francisca, naturais de Paranaguá, no Paraná. 

Casou com Merenciana Maria Carvalho (ou Merencia Rosa de Jesus), nascida no dia 15/02/1830, em Armação de Itapocoroy, atual cidade de Penha, filha de Maria Florencia da Rosa e de pai desconhecido e neta materna de Manoel Francisco dos Santos, natural da Freguesia de São Miguel da Terra Firme, e de Florencia Rosa de Jesus, natural de Armação de Itapocoroy. Foi batizada no dia 24/02/1830, na Capela de Armação de Itapocoroy, pelo Frei Gregorio das Dores. Foram seus padrinhos: Luciano Antonio de Santiago e Narcisa Maria dos Anjos.

Filadelpho e Merenciana moravam na Freguesia de Barra Velha antes de 1864, no Cerro, no atual bairro da Itajuba. Sabe-se que tiveram ao menos oito filhos: Maria, Geraldo, Geraldina, Marcos, Francisco, Manoel e João.

Em 1877, Filadelpho foi um dos primeiros colonos estabelecidos em Jaraguá pelo Engenheiro Emilio Carlos Jourdan. Ainda antes de 1890, dois de seus filhos mudaram-se para o Ai: Marcos e Francisco.

Conforme um telegrama enviado de São Francisco ao Governador da Província de Santa Catarina, comunica que: "no dia 16 [de fevereiro de 1883] pelas 12 horas do dia serem assaltados diversos moradores do Jaraguá, por uma multidão de gentios, deixando gravemente feridos Philadelphio Mariano, uma filha deste e uma outra.

Conforme o relatório do Governo do Estado de Santa Catarina, em Paraty, em 1883, "nos dias 16 e 17 do mesmo mês [fevereiro], foram assaltadas pelos índios as casas de Filadelpho José Mariano e Firmino dos Santos, assassinando os selvagens a uma moça, filha d'aquelle, que também foi flechado. Assim como uma das filhas de Firmino. O capitão reformado do exercito João Evangelista Leal, com mais seis homens da localidade, por ele convidados, embrenhou-se nas matas e conseguiu afugentá-los. O Delegado de Polícia de Joinville foi também autorizado a mandar bater as matas, desde ali até Jaraguá despendendo com este serviço a quantia de trinta e seis mil réis".

Merenciana faleceu antes de 1890.

Viúvo, Filadelpho casou com Maria Claudina Lopes, nascida por volta de 1851. Maria Claudina teve uma filha natural: Bernardina Claudina Lopes.

Filadelpho José Mariano faleceu antes de 1890.

Maria Claudina Lopes faleceu com 50 anos no dia 07/11/1901, às 10 horas do dia, em sua casa, no Ai, distrito de Barra Velha. Foi sepultada no Cemitério do Itapocú.

Filhos:



1. Marcos José Filadelpho Mariano (*21/03/1852, Itapocoroy Bat. 23/05/1852, Penha Padr: Vicente Correa da Silva e Anna de Carvalho +Após 1920)

Casou primeiro com Rosa Maria Francisca de Jesus, nascida por volta de 1856-1860, em Barra Velha, filha de Felisbino Luis da Silva e Francisca Rosa de Jesus, moradores no Itapocu, no dia 08/10/1871, na Igreja de Penha.

Rosa faleceu entre 1876 e 02/1877.

Viúvo, Marcos casou com Bernardina Maria Massaneiro, nascida no dia 26/07/1858, em Barra Velha, filha de José Leonardo Maçaneiro e Maria Joaquina da Costa, na igreja católica, no dia 21/02/1877, na Igreja de Penha. Foram testemunhas, Manoel Caetano Vieira e Joaquim Athanazio da Costa.

Moraram no lote 41, na rua Epitácio Pessoa, em Jaraguá do Sul, onde em 23 de março de 1883, houve um ataque dos índios ao engenho de Marcos. Além de Marcos, suas filhas Marina e Julia foram gravemente feridas. Marina foi morta com uma flechada, enquanto Julia teve ferido um dos seios. A família foi a procura de um médico em Joinville. O ferimento de Julia infeccionara. Na viagem a pé, pararam em Brüderthal e Julia foi acudida pelo topógrafo agrimensor, Eduardo Krisch, numa intervenção cirúrgica, que embora rudimentar, salvou-a.

Mudaram-se então para o Ai, atual bairro de Santa Luzia, antes de 1891. Morava no Passo do Limoeiro, Distrito de Jaraguá (1896). Em 01/07/1897 recebeu a concessão de suas terras do Governo do Estado.

Em 1897, Marcos requereu ao Estado a concessão de terras no Rio Itapocú/Poço do Limoeiro, em Jaraguá (acredito que seja na atual localidade de Limoeiro, em São João do Itaperiú).


Filhos com Rosa:


1.1 Maria Rosa de Jesus (*10/06/1870, Barra Velha Bat. 23/07/1873, Barra Velha Padr: avós maternos)
Casou com Jacintho Silvano dos Santos (*~1855, Barra Velha +Após 1908), viúvo de Joanna Gonçalves da Maia, com 6 filhos, morador no Ai, filho de Manoel Silvano dos Santos e Rosa Maria do Espirito Santo, no dia 25/04/1891, na casa do noivo. Foram testemunhas: José Leonardo de Maçaneiro; Onofre Francisco da Rosa; João Gonçalves da Maia, 43 anos, lavrador, no Tinga; e Luiza Gonzaga de Maçaneiro, 24 anos, no Ai. Também estavam presentes: Miguel Leal de Souza Nunes; José Vicente Caetano da Rosa; José Antonio de Moura; Orlando Avarelio de Maçaneiro. Moraram no Ai (Santa Luzia).
Filhos:

- [Ver filhos em Família de Manoel Silvano dos Santos]



1.2 José Marcos Mariano (*15/10/1871, Barra Velha, Paraty Bat. 12/08/1872, Barra Velha Padr: José Maria Carlos e sua mulher Anna Severina da Conceição +Antes 1962)
Casou com Maria Joanna Budal (*14/04/1879, Barra Velha +Antes 1962), moradora no Ai, filha de Jacintho Silvano dos Santos e Joanna Maria Budal, e enteada de sua irmã Maria, no dia 30/10/1897, na casa de José Ledovino dos Santos, no Itaperiú. Foram testemunhas: Antonio Silvestre da Silva, 52 anos, lavrador, no Ai; Antonio João de Maçaneiro, 58 anos, lavrador, no Itapocú; Petronilha Francisca de Maçaneiro, 21 anos, no Itapocú. Também estavam presentes: Luiz Alves Pereira; Raulino José Pereira; Justino Francisco de Maçaneiro. Ela passou a chamar-se também de Maria dos Santos Mariano.
Moraram em Jaraguá e no Ai, em Barra Velha (São João do Itaperiú) (1900-1926).
Filhos:

- Clarinda Mariano (*~1900, Jaraguá +02/03/1918, Jaraguá, na casa de Amancio José Mariano Sep: Jaraguá). Solteira.

- Paulina Mariano (*25/01/1900, Barra Velha Bat. 23/03/1900, Itapocú Padr: Jacintho Silvano dos Santos e Maria Rosa da Conceição)

- Galdina Maria Budal (*05/04/1906, Barra Velha +17/05/1969, Guaratuba, PR)
Casou com Francisco Lourenço Romão.

- Antonio Marcos Mariano (*~1909, Santa Luzia, Barra Velha, Paraty +19/07/1988, Hospital de Caridade, São Francisco do Sul Sep: São Francisco do Sul)
Casou com Ambrozia Delfino. Moraram em São Francisco do Sul. Tiveram filhos.

- Maria Mariano (*~1926, Barra Velha +11/01/1987, Guaratuba, PR Sep: Guaratuba)
Casou e se divorciou. Teve os filhos: Ataide, José, Hilda e Gilda. Morou em Guaratuba.



1.3 Antonio



1.4 Anna (*11/05/1876, Barra Velha Bat. 19/06/1876, Barra Velha Padr: João Paulo de Sousa e Maria Rosa de Jesus)



1.5 Vicente Marcos Mariano (*~1877, Barra Velha +Antes 1924)
Casou com Antonia Joanna Budal (*28/08/1882, Barra Velha +Antes 1924), filha de Jacintho Silvano dos Santos e Joanna Maria do Espirito Santo, no dia 25/11/1899, no cartório do Itapocú. Uma Antonia F. Joanna Budal teve uma filha com Alexandre Furtunato Alves em 1909, o que indica que Vicente pode ter falecido antes de 1909.
Filhos:

- Crescencia Antonia Budal (*~1896 +25/11/1924, Ai, Itaperiú, de parto Sep: Itapocú)
Viveu com _ ?, mas não oficializaram no civil.
Filhos:
        - [2]

- Franzelino (*20/05/1902 Bat. 23/05/1908, Itapocú Padr: Antonio Silvestre da Silva e Antonia Maria da Graça)



1.6 Julia Maria Mariano foi ferida em um dos seios pelos índios no ataque ao engenho de seu pai, ocorrido em 23 de março de 1883, em Jaraguá. O ferimento de Julia infeccionara e a família foi a procura de um médico em Joinville. Na viagem a pé, pararam em Brüderthal e Julia foi acudida pelo topógrafo agrimensor, Eduardo Krisch, numa intervenção cirúrgica, que embora rudimentar, salvou-a.
Casou com Bernardo Heiden.



1.7 Marina (+23/03/1883, Jaraguá, com uma flechada no ataque dos índios Sep: Jaraguá)





Filhos com Bernardina:


1.1² Theophilo José Mariano (ou Theophilo Bernardo Marcos) (*03/02/1882, Itapocú, Barra Velha Bat. 29/09/1882, Barra Velha Padr: Miguel Soares da Rocha e sua mulher Christina Maria Brennaisen Rocha). Foi lavrador. Morou no Distrito de Jaraguá.
Casou com Florença Maria da Silva (*10/08/1882, Itapocú, Barra Velha), filha de Antonio Felisbino da SilvaMaria Francisca de Jesus, no dia 29/09/1900, no cartório de Jaraguá. Moraram no Distrito de Jaraguá.

- [5 filhos]

- Antonio Mariano (*29/05/1914, Jaraguá)



1.2² José Marcos Mariano (*13/12/1884, Ai, Barra Velha Bat. 21/11/1885, Barra Velha Padr: Pedro Luiz de Souza e Antonia Basilia da Costa +03/12/1920, Ai, Paraty Sep: Jaraguá). Morou no Ai, Santa Luzia.
Casou com Rosa Geraldi (*~1884, Blumenau), filha de Ambrozio Geraldi e Dorothea Geraldi, no dia 05/10/1907, no cartório de Jaraguá.

- [4 filhos]



1.3² Francisco Mariano ?. Casou. Morou no Rainha, distrito de Joinville (1929). ?



1.4² Amancio José Mariano ?
Em Jaraguá, possuiu o lote nº 8, que requereu ao Governo em 01/04/1897, na Rua Epitácio Pessoa, no Rio Itapocú/Poço do Limoeiro.



1.5² Salustiano Mariano (*08/06/1896, Passo do Limoeiro, Distrito de Jaraguá? ou no Itaperiú?)



1.6 Benjamin Mariano (*22/06/1899 Bat. 03/02/1900, Colônia Hansa Padr: Thomas Antonio da Silva e Giuseppina Bagatoli)





2. Francisco José Filadelpho Mariano (*Barra Velha +Apos 1908)
Casou com Magdalena Claudina Rosa da Conceição (ou Magdalena Rosa de Jesus) (*Barra Velha +Antes 1908), filha de Serafim Lopes da Lus Ribeiro e Claudina Rosa de Jesus, na Freguesia de Barra Velha. Passaram a viver separados entre 1890 e 1891 e Magdalena teve outra filha de pai desconhecido. Moraram no Ai (1890-1898).
Filhos:


2.1 João Francisco Mariano (*~1874, Barra Velha +Antes 1949). Não sabia escrever. Morou no Ai.
Casou com Christina Maria da Trindade (*~1880, Barra Velha +Após 1949), moradora no Itaperiú, filha de Ignacio Antonio Forte e Maria da Trindade, no dia 05/02/1898, na casa do Juiz de Paz José Francisco Garcia, no Itaperiú. Foram testemunhas: Antonio José da Costa, 44 anos, lavrador; Francisco Gonçalves de Souza, 33 anos; e Leonidia Cezarina de Borba, 29 anos, no Itaperiú. Também estavam presentes: Elpidio Bruno Garcia e Adriano Antonio Baptista.
Filhos:

- Paulina Mariano (*10/06/1916, Barra Velha)
Casou com João Correa de Lima (*24/01/1914, Jaraguá), filho de José Correa de Lima e Delaide Francisca de Lima, no dia 31/03/1949, no cartório de Barra Velha. 
          - Lourenço (*10/08/1934)
          - João (*07/04/1936)
          - Acacio (*07/04/1938)
          - Ageciel? (*18/03/1939)
          - Osni (*07/09/1941)
          - José (*18/02/1943)
          - Antonio (*09/10/1944)
          - Pedro (*01/01/1946)
          - Ancelmo (*10/02/1949)



2.2 Maria Magdalena da Conceição (*03/07/1877, Barra Velha Bat. 01/12/1877, Barra Velha Padr: Antonio Gonçalves d'Oliveira e Claudina Rosa da Conceição)
Casou com Francisco Firmino dos Santos (*~1863, Barra Velha), morador no Ai, filho de Firmino José dos Santos e Anna Borba Tavares, no dia 23/07/1898, na casa de Raulino José Pereira, no Itaperiú. Foram testemunhas: Augusto Julio dos Passos, 39 anos, negociante, no Itaperiú; Silvino Ignacio Borges, 21 anos, lavrador, no Itapocú; e Maria Luiza Borges, 29 anos, lavradora, no Itapocú. Também estavam presentes: Eufrazio Bernabé de Aviz; Raulino José Pereira; Maria Magdalena Olegario Brenaisen e Maria Luiza Borges.



2.3 Manoel Francisco Mariano (*17/11/1882, Barra Velha Bat. 18/04/1883, Barra Velha Pad: Manoel Serafim e a invocação de N. Sra. da Conceição). Morou no Município de Joinville.
Casou com Maria Joanna de Jesus (*01/08/1886, Paraty Bat. 04/11/1886, Barra Velha Padr: Lino Antonio da Rocha e Maria Auta da Conceição), moradora no município de Joinville, filha de Clemente José Vieira e Joanna Maria Jacintha, no dia 01/02/1908, no cartório de Itapocú.



2.4 Serafim Francisco Philadelpho (*04/07/1885 Bat. 01/01/1887, Penha Padr: Joaquim Pinto Ferreira e Brasilisia Maria Ferreira +24/05/1908, de influenza Sep: Itapocú)



2.5 Maria (*02/09/1890, Ai, Barra Velha)



Anos antes de 1892, Francisco e Magdalena passaram a viver separados. Magdalena Claudina Rosa da Conceição teve uma filha de pai desconhecido:

2.1¹ Anna (*06/11/1892, Ai, Barra Velha)





3. Amancio (*~02/1857 Bat. 13/05/1857, São Francisco do Sul Padr: Padr: Francisco José de Farias e sua mulher Candida Rosa dos Santos)





4. Maria (*11/1866, Barra Velha Bat. 09/12/1866, Barra Velha Padr: Felisbino Luiz da Silva e Francisca Rosa de Jesus)





5. Geraldina Maria Roza de Jesus (ou Galdina Merencia) (*Penha)
Casou com Alexandre Alves da Silva (*São Francisco), filho de Antonio José Lopes e Maria Antonia Genoveva Roza de Jesus, no dia 27/02/1868, no Oratório de Barra Velha.
Filhos: 


5.1 João Alexandre da Silva (*03/04/1871 Bat. 12/06/1871, Barra Velha Padr: João Luiz da Silva e Maria Francisca de Jesus, solteiros) 
Casou com Bernardina Claudina Lopes da Conceição, filha da madrasta de sua mãe, Maria Claudina Lopes. Moraram em Jaraguá.
Casou com Rita Amancia Moreira, filha de Vicente Alexandre Henrique e Amancia Moreira, em 1907, no cartório do Itapocú.
Filhos com Bernardina:

- Antonio (*28/03/1890, Jaraguá Bat. 13/06/1890, Joinville Padr: Rosa Alexandrina de Jesus)



5.2 Francisca (*05/09/1872 Bat. 04/02/1873, Barra Velha Padr: Jose Felisbino Luiz e sua mulher, Francisca Maria de Jesus)





6. Geraldo





7. Manoel





8. João (*25/05/1871 Bat. 11/08/1872, Barra Velha Padr: Valentim Izidro de Souza e Clementina Roza de Jesus)





Referências

- CARTÓRIO CIVIL. Livros de registros.
- EMENDÖRFER FILHO, Victor. A primeira história de Guaramirim. 1ª ed. Jaraguá do Sul. Ed. Correio do Povo, 2001.
- IGREJA CATÓLICA. Livros de registros
- SANTA CATARINA. Relatório do Governo de Estado. 1883.
- TOMIO, Telmo. Genealogia e História.