Família de Firmino José dos Santos


Por Elis de Sisti Bernardes


Ainda no século XIX, antes de 1895, mudou-se para o Itaperiú a família de Firmino José dos Santos.

Firmino José dos Santos nasceu por volta de 1826, na Freguesia de Barra Velha, ou em Penha, filho de Severino Francisco dos Santos e Juliana Ignacia, naturais de Armação de Itapocoroy e moradores no Taboleiro, em Barra Velha. Neto paterno de Pedro dos Santos Sanches, natural da Espanha, e de Francisca Dias Ribeiro, natural de Armação de Itapocoroy. Neta materna de Ignacio Marques de Faria e de Anna Francisca, naturais de Armação de Itapocoroy.

Casou com Anna Luisa Borba Tavares no dia 29/10/1855, na Capela de Penha, em cerimônia realizada pelo Padre João Luiz Nepomuceno de Macedo. Foram testemunhas: José Borges Pita e Ignacio Alves de Siqueira. 

Anna nasceu no dia 19/06/1830, em Barra Velha, ou Penha, filha de Silvano Luiz, natural de Armação de Itapocoroy, e de Bárbara Tavares, natural de São Francisco do Sul e moradores no Taboleiro, em Barra Velha. Neta paterna de Francisco Luiz de Castro e Margarida Pereira Marques de Faria, naturais de Armação de Itapocoroy. Neta materna de Luiz Tavares e Maria da Graça Rodrigues, naturais de São Francisco do Sul.

Conforme o relatório do Governo do Estado de Santa Catarina, em Paraty, "nos dias 16 e 17 do mesmo mês [fevereiro], foram assaltadas pelos índios as casas de Filadelpho José Mariano e Firmino dos Santos, assassinando os selvagens a uma moça, filha d'aquelle, que também foi flechado. Assim como uma das filhas de Firmino. O capitão reformado do exercito João Evangelista Leal, com mais seis homens da localidade, por ele convidados, embrenhou-se nas matas e conseguiu afugentá-los. O Delegado de Polícia de Joinville foi também autorizado a mandar bater as matas, desde ali até Jaraguá despendendo com este serviço a quantia de trinta e seis mil réis".

Antes de 1895, já estavam estabelecidos no Ai, no Itaperiú, no atual bairro de Santa Luzia.

Anna faleceu antes de 1898. Firmino faleceu no dia 19/01/1899, às 10 horas da manhã, em sua residência, no Ai, de febre. Foi sepultado no Cemitério do Itapocú.



Filhos:


1. Maria (*01/08/1858, Penha Bat. 09/10/1858, Penha Padr: Alexandre Luís Tavares e Maria Rosa de Jesus +Antes 1899)





2. Honorato (*02/12/1860, Itapocú Bat. 29/05/1861, Penha Padr: Porfírio Marques dos Santos e Maria Jacinta +Antes 1899)





3. Francisco Firmino dos Santos (*~1863, Barra Velha +Após 1899). Não aprendeu a escrever.
Casou com Maria Magdalena da Conceição (*~1875, Barra Velha), filha de Francisco Filadelpho Mariano e Magdalena Rosa da Conceição, moradora no Ai, no dia 23/07/1898, na casa de Raulino José Pereira, no Itaperiú. Foram testemunhas: Augusto Julio dos Passos, 39 anos, negociante, no Itaperiú; Silvino Ignacio Borges, 21 anos, lavrador, no Itapocú; e Maria Luiza Borges, 29 anos, lavradora, no Itapocú. Também estavam presentes: Eufrazio Bernabé de Aviz; Raulino José Pereira; e Maria Magdalena Olegario Brenaisen. Moraram no Ai.






4Chrispim Fermino dos Santos (*07/06/1863, Barra Velha Bat. 28/11/1863, Barra Velha Padr: Elias Francisco dos Santos e Maria Jacinta Cardoso). Solteiro em 1899.





5. Jolianna Tavares (*~1868). Solteira em 1899.





6. Rosa Maria Anna da Conceição Firmino (ou Tavares) (*~1870). Solteira em 1899.
Teve os filho de pai incógnito:

- Felesbina (*20/06/1892, Ai)

- Donaria (*19/03/1893, Ai)

- José (*30/05/1895, Ai)





Referências

- CARTÓRIO CIVIL. Livros de registros.
- SANTA CATARINA. Relatório do Governo de Estado. 1883.
- TOMIO, Telmo. Genealogia e História.