Família Vieira Rebello


Por Elis de Sisti Bernardes


Manoel Vieira Rebello, morador no Itapocú, estabeleceu-se com sua família no Itaperiú ainda antes de 1898.

Manoel Vieira Rebello nasceu por volta de 1853, na Freguesia de Barra Velha, filho de Patricio Vieira Rebello e Guilhermina Vicencia de Jesus. Neto paterno de Manoel Vieira Rebello, natural de Porto Belo, e de Isabel Mauricia da Trindade, natural de São Francisco do Sul, e residentes em Piçarras. Neto materno de Vicente Antônio Caetano e Luiza Ignacia da Silveira, naturais da Freguesia de São José da Terra Firme.

Manoel casou na Igreja Matriz da Freguesia de Barra Velha com Luiza Francisca Rosa, nascida no dia 15/08/1859 (ou 16/11/1863, ou 07/07/1863, ou 24/07/1874?), na Freguesia de Barra Velha, filha de Francisco Joaquim da RosaThomasia Rosa de Jesus. Neta paterna de José Joaquim da Rosa e Maria Caetana de Jesus, naturais de Paraty, e neta materna do Capitão Alberto José Francisco da Silveira, natural de Armação de Itapocoroy, Penha, e de Luiza Ignacia de Jesus, natural da Freguesia de São José da Terra Firme.

Ambos sabiam escrever. Manoel foi agricultor e negociante e Luiza foi professora pública, lecionando por muitos anos na Escola do Morro Grande. Ela já era professora entre 1907 e 1928.

Manoel e Luiza tiveram os seguintes filhos:
José Vieira Rebello
- Horacio Vieira Rebello
- Hormino Vieira Rebello
- Gustavo Vieira Rebello
- Adelino Vieira Rebello
- Olibio Vieira Rebello
- Rosa Vieira Rebello
- Lilinha Vieira Rebello

Moraram no Itapocú, no Itaperiú em 1898, no Itapocú em 1900, no Itaperiú entre 1907 e 1910, e estabeleceram-se definitivamente no Morro Grande.

Em maio de 1900, Manoel foi nomeado 1º suplente de sub-comissário de polícia do distrito do Itapocú.

Manoel Vieira Rebello faleceu com 75 anos, no dia 07/04/1928, às 3 horas da tarde, em sua casa, no Morro Grande, no Itapocú, de "febre de asma". Foi sepultado no cemitério de Barra Velha. Deixou bens a inventariar.

Viúva, no ano de 1940, Luiza foi morar na casa da filha Rosa, em Corupá, onde veio a falecer aos 85 anos, no dia 24/11/1944, vítima de cardiopatia. Foi sepultada no Cemitério da Estrada Itapocú, em Corupá.



Filhos: 


1. José Vieira da Rosa (*06/01/1885 Bat. 11/10/1885, Barra Velha Padr: Justino Vieira Rebello e Maria Venancia da Rosa Vieira). 
Casou com Anna Maria Silveira (*~1890), filha de José Duarte de Sousa e Maria Anna da Silveira, no dia 16/02/1912, no Itapocú.
Filhos:

- [4 filhos]





2. Hormino Vieira Rebello (*11/09/1883 Bat. 12/10/1885, Barra Velha, como "Ormino" Padr: Firmo Venancio da Rosa e Clementina Francisca Rosa). Foi negociante.






3. Horacio Vieira Rebello (*07/10/1886 Bat. 17/06/1887, Barra Velha Padr: Honorato Francisco da Rosa e Eliza Garcia da Rosa +09/05/1969, Joinville Sep: Joinville)
Casou com Rosa Maria dos Santos (*~1894 +Antes 1969), filho de João Claudino Machado e Maria Thiodora dos Santos, no dia 27/01/1917, no Itapocú. Moraram em Joinville.
Filhos:

- [3 filhos]





4. Gustavo Vieira Rebello





5. Adelino Vieira Rebello (*02/10/1898 +Após 1925)
Casou com Maria Porfiria da Silveira (*24/04/1904, Morro Grande), filha de Emygdio Joaquim da Silveira e Porfiria Anna da Oliveira, no dia 12/04/1924, no Morro Grande, pelo cartório do Itapocú.
Filhos:

- [4 filhos]





6. Libero Vieira Rebello (Olibio) (*15/03/1900, Morro Grande, Itapocú)
Casou com Maria Conceição da Silva (*19/02/1906, Barra Velha), filha de Manoel Jacintho da Silva e Rosa Theodora Borges, moradores no lugar Machina, na Barra do Rio Itapocú, no dia 25/07/1925, no cartório do Itapocú.
Filhos:

- [3 filhos]





7. Rosa Vieira Rebello (*04/09/1889, Itapocú +21/09/1981, Estrada Itapocú, Corupá, com 92 anos Sep: Nereu Ramos)
Casou com Elpidio Bruno Garcia (*06/10/1882, Camboriú +07/09/1942 Sep: Nereu Ramos), morador no Itaperiú, filho de José Francisco de Garcia e Lucinda Rosa Bernardes, no dia 14/10/1908, na residência de Manoel Vieira Rebello, no Itaperiú. Foram testemunhas: José Vicente Coelho, 58 anos, lavrador, neste distrito; José Vieira da Conceição, 71 anos, e Maria Vieira Rebello, 35 anos; todos lavradores, no Itapocú. Também estavam presentes: Emygdio Joaquim da Silveira; Alfredo Farias Machado; José Francisco Garcia; Manoel Vieira Rebello e Hormino Vieira Rebello. Ela foi professora no Morro Grande e ele foi negociante e lavrador. Ver mais em Família Garcia





8. Lilia Vieira da Rosa (Lilinha) (*04/07/1892, Itapocú +Após 1939)
Casou com João Manoel Custodio (*~1893 +Após 1939), morador em Medeiros, Barra Velha, filho de Manoel João Custodio e Benta Custodia Mafra, moradores de Itajaí, no civil dia 18/09/1915, na casa de Manoel Vieira Rebello, no Morro Grande.
Moraram no Rio do Peixe, em Barra Velha e mudaram-se para Itajaí.
Filhos:

Juvenal Custodio

Antonio Custodio (Tonico)
Casou. Moraram em Rio do Sul.

Osvaldo Custodio

Manoel João Custodio

Maria Custodio

Elvira Custodio (*10/11/1917 +17/01/1995, Itajaí)
Casou com Romeu Soares (*01/06/1913, Barra Velha +05/01/1995, Itajaí), filho de João Martins Soares e Olinda Ana Soares, no dia 17/06/1939, na casa de seu pai, no Rio do Peixe. Mudaram-se para Itajaí.

- Eraclides (*26/10/1918, Barra Velha)

Evelina Vieira Custodio (*14/10/1919, Barra Velha Bat. Capela São Braz)
Casou com Henrique Kaiser (*02/12/1915, Bananal, Guaramirim +21/10/1950, Medeiros, Barra Velha), filho de Gistavo Kaiser e Maria Herkenhoff, no dia 21/01/1939, na casa de seu pai, no Rio do Peixe. Moraram em Medeiros.

Jayme Custodio (*17/06/1922, Penha Bat. Penha)

Lilian Custodio





Referências

- CARTÓRIO CIVIL. Livros de registros.
- GARCIA, Belarmino. Minha Vida. Jaraguá do Sul: Horizonte Gráfica e Editora, 2005, 67 p.
- IGREJA CATÓLICA. Livros de registros.
- TOMIO, Telmo. Genealogia e História.